terça-feira, 17 de novembro de 2009

Passos Perdidos




Escolhi para primeira foto uma de que gosto muito. A preto e branco, evidentemente. Será mais evidente lá para a frente, quando virem que é o género que mais aprecio.
Esta foi um acaso feliz: o rodado da viatura; o homem de escuro, de fato e chapéu na mão; a pedra com a corda a atravessar o caminho dele; o eu estar numa elevação sobre a praia; a luz daquela hora - quase ao fim da tarde; as marcas no areal; tudo se conjugou para uma excelente fotografia.
Depois, os diversos significados que podemos dar à imagem. O título - já a chamei de "Em Busca do Tempo Perdido" - tem a ver com tempo e com perda. Um passo perdido é uma perda de tempo!
A figura é enigmática. Um homem de fato a passear-se pela praia? A caminhar decidido como se tivesse rumo certo? A praia acaba cem metros à frente, numa arriba, só permitindo... o regresso ao mesmo ponto. Não parece um derrotado, um vencido da vida. Porque é que emana dele uma certa melancolia? Sou eu ao ler os sinais que cedo aos meus preconceitos?
É uma foto que não me cansa de olhar. Gosto muito!